Grupos homogêneos ou heterogêneos?

Como uma criança preguiçosa, aprendizagem em grupo foi uma grande oportunidade para eu terceirizar trabalhos escolares para meus mais produtivos colegas. No entanto, quando fui transferida para nova escola, fui colocada com alunos que eram preguiçosos e estavam mais “acima na escada social” do que eu. Enquanto eu tentava me localizar nas aulas, eles estavam fazendo planos para o final de semana.

O agrupamento em sala de aula pode ser desconfortável para professores e alunos. Se você colocar só os amigos juntos, está arriscado a passar a hora do almoço com eles na sala e se misturar demais, pode criar um ambiente de trabalho desconfortável para eles.

Uma postagem recente no blog Edutopia fala sobre um professor que estava preocupado com a mistura de estudantes de vários níveis e habilidades juntos. Sua lógica era que os estudantes com mais dificuldades poderiam aprender com aqueles que se destacavam. Isso foi até um talentoso aluno se aproximar do professor e criticar sua prática de agrupamento. Esse aluno descobriu que estava fazendo todo o trabalho pesado para o resto de sua equipe.

O professor, então, tentou montar grupos de pessoas que estavam em níveis semelhantes entre si. Desta forma, parecia funcionar melhor para ele e a participação do grupo aumentou.

Agrupar alunos de forma específica só funciona quando você tem metas específicas em sua mente. Mas manter grupos aleatórios tem uma série de benefícios. Só o fato de crianças trabalharem com outras crianças já é muito importante. As crianças que normalmente não têm voz em uma sala de aula conseguem, em grupos, finalmente falar. Eles passam a praticar a aprendizagem ativa ao invés de passiva e podem ter a chance de se envolver com alunos com quem, dificilmente, trocariam duas palavras.

Meu ponto favorito sobre a aprendizagem em grupo é que você está a par do processo de aprendizagem de outra pessoa. Você começa a ver o caminho que muitas pessoas traçam sobre uma mesma ideia e descobre uma nova forma de fazer alguma coisa. Todo mundo tem algo a oferecer, mesmo que seja aprender a arte de delegar tarefas.

E criar grupos diferentes a cada novo dia ou nova tarefa, é espetacular! Então, se você é um professor e não sabe como agrupar alunos, tente esses métodos:

  1. Você pode distribuir um uma carta de baralho para cada aluno (sem olhar as cartas e embaralhado, é claro). Reis, damas e ases formam um grupo, ou cartas pares de um determinado naipe. Mas atenção para pensar no agrupamento de acordo com o tamanho da classe, ok?
  2. Use um aplicativo de sorteio. O Team Shake faz a mágica para você! Coloque os nomes dos alunos no aplicativo e pronto!
  3. Você pode tentar agrupar as crianças pela cor dos olhos ou baseando-se naquilo que gostam ou não gostam; por exemplo, o sabor preferido de pizza (embora a criança que goste de anchovas vai acabar sozinha…).
  4. Separe 3 ou 4 peças de um quebra-cabeças e coloque-as de cabeça para baixo. As crianças irão pegá-las de forma aleatória e, aquelas que tiverem as peças que se encaixam, formarão grupos.
  5. Se nada disso der certo, você pode sortear os nomes de um saquinho plástico.

E você, professor, quais suas dicas de como dividir uma sala de aula em grupos para que o trabalho traga resultados positivos?

Adaptado de Marina Gomer, jornalista e mãe. Ela mora com sua família em Sydney, Austrália.