5 habilidades que os videogames ajudam a desenvolver

Você já deve ter notado que a indústria do videogame está dominando o mundo. Os jogos digitais agora são onipresentes: estão em nossos laptops, tablets, celulares e até em aviões. Em 2013, mais de 58% dos americanos jogaram videogame. No Brasil, uma pesquisa apontou que dos entrevistados, 82% dos pais jogam com seus filhos.

Enquanto os jogos digitais parecem ter se tornado a maneira mais dominante de entretenimento do planeta, eles também estão começando a crescer no mercado da educação. Videogames são acessíveis, divertidos, versáteis e desafiadores, e podem ser facilmente adaptados para atingir os objetivos do planejamento escolar. Mais importante: eles fornecem um ambiente virtual onde os alunos podem aplicar aquilo que aprenderam e ver, imediatamente, os resultados, encoraja a cooperação, solução de problemas, comunicação e pensamento crítico.

Videogames adaptados para uma matéria específica (por exemplo, matemática), oferecem uma excelente plataforma para explorar o assunto. Mas bons jogos – independentemente do assunto – devem também conferir um certo número de habilidades valiosas que podem ser aplicados a quase tudo na vida. E esses são os melhores tipos de lição: aquelas que as crianças aprendem sem nem saber que estão aprendendo.

Veja algumas das habilidades que as plataformas dos – bons – jogos podem ajudar a desenvolver:

1. Responsabilidade

No mundo artificial dos jogos de computador, as crianças tornam-se responsáveis pelo seu próprio aprendizado. Embora pais e professores possam guiar e ajudar no “mundo real”, no jogo o aluno está no controle de cada ação. Quais são seus objetivos e como irá chegar até eles? Em qual ordem você irá realizar cada ação? Como as suas decisões irão afetar o ambiente do jogo? Ser responsável por estas decisões pode ajudar a aumentar o investimento da criança na própria educação e, por consequência, ampliar o aprendizado.

2. Assumir riscos

O ambiente aberto do videogame encoraja a criança a assumir riscos e explorar ideias que, na vida real, poderia ter medo de colocar em prática. Apesar da possibilidade de falhar nos jogos dar uma certa insegurança, nem se compara à vergonha e desânimo de falhar na sala de aula: tudo o que você precisa fazer é começar de novo. Um estudo da Universidade de Granada, na Espanha, mostrou que jogar videogames pode mudar o perfil de um estudante. Durante o jogo, o estresse causado pelo aprendizado (ansiedade, cobranças, etc) é reduzido e, ao mesmo tempo, a autoconfiança dos alunos é impulsionada pelo ambiente de experimentação mais seguro – onde o aluno pode errar sem medo.

3. Confiança

Um aumento na confiança é o resultado natural de assumir riscos e responsabilidade. O jogo em ambiente digital permite que a criança experimente o sucesso e desenvolva habilidades em um ambiente seguro, que pode se traduzir em uma aplicação mais confiante dessas habilidades no mundo real. Games de esportes, por exemplo, impactaram positivamente na autoestima e, por consequência, encorajaram crianças a se envolverem em esportes na vida real.

kids playing games4. Habilidades Sociais

A aprendizagem baseada em jogos demanda que os alunos tenham habilidades sociais fortes para terem sucesso. Comunicação e cooperação são essenciais em muitos jogos, e de acordo com o Governo de Vitória, na Austrália, uma comunidade colaborativa tende a se instalar em salas de aula onde os videogames são usados. Por meio da internet, os alunos têm a oportunidade de jogar com crianças de todo o mundo, conhecendo novas personalidades, culturas e formas de pensamento.

5. Pensamento estratégico

Mesmo jogos não educativos provaram ser capazes de desenvolver a agilidade do raciocínio e o pensamento estratégico nos jogadores. Um estudo de duas universidades de Londres identificou que jogos de estratégia de ritmo acelerado aumentam a habilidade cognitiva, promovendo a habilidade de “pensar no processo e aprender com os erros”. Este, por sua vez melhora a tomada de decisão, o pensamento versátil e a celeridade mental.

 

Texto adaptado e traduzido de Nick Nedeljkovic – escritor freelancer e blogueiro de Sidnei, Austrália. Tem amor pela aprendizagem e muitas graduações. É um defensor da educação em todas as suas formas.