O que os finlandeses sabem sobre o ensino de matemática?

Ensino finlandês inova ao aliar tecnologia ao processo de ensino.

Os educadores, especialistas e decisores políticos de hoje encontram-se surpresos ao saber que a Finlândia, um país invernal ao lado de Rússia, Noruega e Suécia, possui algumas das maiores pontuações do mundo para testes padronizados de leitura, matemática e ciências. Uma grande quantidade de pesquisas recentes tentam descobrir qual é o segredo para o sucesso educativo finlandês. De acordo com um livro recente sobre o assunto escrito por Pasi Sahlberg, e intitulado Lições finlandesas: O que o mundo pode aprender com a mudança educacional na Finlândia? Os livros didáticos de matemática finlandeses são metade do tamanho dos americanos, a lição de casa não é enfatizada em favor do trabalho em sala de aula, e os preconceitos de gênero foram meticulosamente eliminados. Como resultado, afirma Sahlberg, menos alunos finlandeses consideram a matemática difícil e, em contraste com os Estados Unidos, não há diferença entre o desempenho de testes de meninos em relação a meninas.

Na Finlândia, os professores enfatizam a aprendizagem experiencial e participação em sala de aula, prescindindo e sobrepondo-se aos exercícios individuais e à competição. Embora historicamente, a população da Finlândia consista de apenas uma raça e etnia, hoje em dia, a estrutura do país é mais complexa, com refugiados da África, Ásia e do antigo bloco soviético mudando-se para o país. Os professores finlandeses, assim como os professores americanos, devem adaptar seus estilos de ensino para alunos de diversas origens e níveis de habilidade.

Críticos da abordagem finlandesa mencionam que o país é muito menor que o nosso, com apenas cerca de cinco milhões de pessoas e que os resultados dos testes de matemática da Finlândia em 2012 rebaixaram seus alunos a décimo segundos no mundo. No entanto, olhando para países como a Noruega, um país pequeno com um sistema de ensino semelhante ao nosso, que não tem um desempenho tão bom, parece que a Finlândia pode ter descoberto algo novo.